Monitor de Juros – Junho 2021
image

Monitor de Juros – Junho 2021

O Monitor de Juros de junho mostra equilíbrio entre altas e quedas das taxas de juros médias aplicadas pelas maiores instituições financeiras. Para capital de giro, na modalidade com prazo até 365 dias, Banrisul ficou com a taxa mais baixa com 1,01% a.m., seguido por Itaú (1,13% a.m.) e Banco do Brasil (1,14% a.m.); Santander, mesmo tendo redução dos juros, manteve-se com a maior taxa (2,38%). Para capital de giro com prazo superior a 365 dias, Itaú aparece com a menor taxa praticada (1,15% a.m.), com Caixa em segundo lugar (1,17% a.m.), enquanto Santander (2,09% a.m.) e Banrisul (2,10% a.m.) ficaram com os maiores juros.

 

Para conta garantida, Itaú vem na última posição, com maior taxa média (2,93% a.m.), enquanto Banco do Brasil teve a menor taxa (1,96% a.m.), seguida de Banrisul (2,25% a.m.). Na modalidade para desconto de cheques, Banrisul (1,90% a.m.) fica atras do banco Safra, que mesmo com aumento sustentou a taxa mais baixa entre as instituições avaliadas, com 1,09% a.m.. Santander (2,27% a.m.) e Caixa (2,89% a.m.) continuaram com as maiores taxas para a modalidade.

 

Em cheque especial, modalidade com os maiores patamares de juros entre as modalidades, a Caixa teve redução de 9,87% a.m. para 9,50% a.m. e continuou com a menor taxa aplicada enquanto na outra ponta, Santander (13,90% a.m.) e Itaú (14,03% a.m.) mantiveram-se com os maiores juros. Para antecipação de faturas de cartão de crédito, das quatro principais instituições para as quais havia dados, apenas o Banco Safra teve redução, ficando com 0,40% a.m., a menor taxa. A maior taxa foi 1,34% a.m. do Banco do Brasil.

 

É importante destacar que embora as condições e critérios para conceder empréstimos sejam avaliados por cada instituição conforme o perfil de risco de cada tomador, o monitor, ao mostrar as diferenças entre as taxas aplicadas no mercado, reforça a importância de consultar diferentes instituições quando houver a necessidade de crédito.

 

Fonte: Fecomércio-RS