Redes de varejo estão entre os 10 setores mais atacados por cibercri
image

Redes de varejo estão entre os 10 setores mais atacados por cibercriminosos

Relatório feito pela Apura Cyber Intelligence mostra que o setor ocupou a sexta colocação

 

Relatório elaborado pela Apura Cyber Intelligence mostra que o varejo esteve entre as dez áreas mais atacadas no Brasil em 2021, ocupando a sexta colocação, com 6,5% dos ataques registrados, empatando, por exemplo, com setores como tecnologia e prestação de serviços.

 

O foco desses criminosos cibernético são dados pessoais cadastrados, como e-mail com senhas, CPF, nome completo, data de nascimento e outras informações muitas vezes roubadas de grandes bancos de dados. Por isso, as empresas são foco de ataque desses criminosos.

 

Os sites de dois dos maiores varejistas on-line do país – Americanas e Submarino - estão fora do ar desde a madrugada de domingo. Especula-se de que os dois tenham sofrido um ataque de hackers. A Americanas informou que “acionou prontamente seus protocolos de resposta” assim que identificou o acesso não autorizado e que “atua com recursos técnicos e especialistas para avaliar a extensão do evento e normalizar com segurança o ambiente de e-commerce o mais rápido possível”.

 

De acordo com projeções de bancos de investimentos, de que o valor transacionado pelas plataformas da Americanas este ano atinja de R$ 60 bilhões a R$ 65 bilhões, a perda diária de vendas nos marketplaces do grupo seria da ordem de R$ 170 milhões. Ontem, a ação ON da empresa fechou em queda de 6,61%, com perda de R$ 2 bilhões em valor de mercado, para R$ 27,9 bilhões.

 

“Grandes empresas de varejo têm dois grandes problemas que as tornam acessíveis a cibercriminosos: muitos funcionários com acesso aos dados e, às vezes, falta de procedimentos de segurança”, explica Sandro Süffert, CEO da Apura.

 

Para tenta evitar ataques, a Apura sugere o constante treinamento de todos os funcionários que tenham acesso à rede. Outro ponto importante, é manter a rede protegida e monitorada. A Apura, por exemplo, tem uma plataforma inteligente que monitora e averigua milhões de eventos que podem ser perniciosos e, caso haja alguma ameaça real, o cliente recebe a notificação, conseguindo, muitas vezes, evitar o ataque ou ao menos reagir o mais rápido possível.

 

“O mercado de ciberameaças movimenta bilhões de dólares todos os anos e os cibercriminosos estão cada vez mais especializados. Explorar uma vulnerabilidade pode significar ter acesso a uma variedade de sistemas e este acesso pode ser vendido a preços bastante atrativos para grupos de ameaça. Por isso, todo o nosso esforço para cada vez mais mitigar o vazamento de dados e combater esses agentes”, ressalta Süffert.